...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Dispensar da avliação 5000 professores

Palavra que não percebo. Estará a Ministra à espera de ganhar 5000 votos? Não os vai ganhar. E mesmo que ganhasse, o que pensará disto tudo a população? A população vê todos os dias a Ministra a cortar às fatias a avaliação que ela própria inventou, como se fosse um fiambre. Pensará que está a dar com isto um sinal de disposição para o diálogo? Pensará que com isto vai convencer alguém que os intransigentes são os professores? Tudo isto é demasiado pueril. Um erro de casting. A rábula talvez desse resultado se a actriz fizesse o género - mas não faz.

Ou será que depois de "perder os professores para ganhar a população" está agora na disposição de perder a população para ganhar os professores? Se a ideia é esta, vai realmente perder a população; mas ganhar os professores, nem que chovam canivetes.

3 comentários:

Isabel disse...

mas ainda não repararam que já perderam a população, vejam as sondagens. Se nem entre os professores há solidariedade, pelos vistos o que os professores mais temem é o juízo dos pares.

Range-o-Dente disse...

Caro JLS,

A população em geral, está-se nas tintas para o desfecho do caso.

Para a população em geral, a mensagem que sai da "classe" continua a cheirar a dinheiro.

Os professores estão, novamente, a ir-se abaixo.

A mensagem não passa e o PC continua ao leme dos sindicatos. A mensagem não passa porque (entre outras razões) é errada.

A única coisa a que a generalidade das pessoas são sensíveis é ao problema da burocracia. Mesmo assim pouco.

Todos os outros problemas levantados, são assuntos (carreiras, quotas, avaliação) a que a generalidade da população está habituada e com que vive há muito. Para ela, nada de novo.

Mesmo perante a infinita cretinice ministerial, os professores não conseguem contrapor o que quer que seja que faça com que se perceba que há trigo e joio.

Como lhe disse dúzias de vezes, a guerra está para ter lugar e será dentro de portas.

.

Anónimo disse...

Não colega!

A ministra está é a brincar com os professores e com a carreira deles. Andam 130 mil professores, ao sabor dos capricho duma ministra, mulherzinha frustrada, vingativa e mesquinha...
Só uma mente torpe e vil cozinha tanta asneira em 3 anos de (des)governo...