...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

quinta-feira, 12 de março de 2009

Eu não quero

Eu não quero ser julgado por um juiz "qualificado" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero ser representado por um advogado "qualificado" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero ser tratado por um médico "qualificado" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero estar vinculado a leis feitas por deputados "qualificados" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero morar numa casa projectada por um engenheiro "qualificado" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero obedecer a superiores hierárquicos "qualificados" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu nem sequer quero depender dos serviços dum canalizador, dum electricista ou dum técnico de informática "qualificados" pela escola de Maria de Lurdes Rodrigues.
Eu não quero ser governado por uma espécie de engenheiro.
Eu quero viver numa sociedade civilizada onde a escola seja, como sempre foi e tem de ser, a muralha entre a civilização e a barbárie.

3 comentários:

Diogo disse...

Mas, afinal, que Maria de Lurdes é que você quer?

And Now for Something Completely Different:

Monty Python - A mais extraordinária aula de educação sexual já leccionada num secundário

Os criadores e intérpretes britânicos da série cómica Monty Python's Flying Circus oferecem-nos neste sketch do filme "The Meaning of Life" [O Sentido da Vida], uma aula de educação sexual inesquecível:

Professor: Bom, sexo. Sexo, sexo, sexo. Onde ficámos na última aula? Bem, já tinha chegado à parte em que o pénis entra na vagina?

Os alunos após alguma hesitação: Não senhor.

Professor: Já dei os preliminares?

Os alunos após alguma hesitação: Sim senhor.

Professor: Já que todos sabem tudo sobre preliminares, podem dizer-me qual o propósito dos preliminares. Higgs?

Aluno Higgs, [após grande hesitação]: Não sei. Desculpe.

Professor: Carter?

Aluno Carter: Era tirar a roupa?

Professor: E depois disso? O propósito dos preliminares é causar a lubrificação da vagina, para que o pénis possa penetrar mais facilmente. E, obviamente, causar a erecção e rigidez do pénis. Bom, dei os sucos vaginais na semana passada?

Professor: Presta atenção Wadsworth! Sei que é sexta-feira. Posso decidir fazer um teste este período.

Ouve-se um burburinho de desagrado entre os alunos.

Professor: Ouçam com atenção. Dei ou não dei os sucos vaginais? Digam-me dois modos de os fazer fluir, Watson?

Aluno Watson: Esfregando o clitóris?

Professor: ... Que mal tem um beijo? Porque não começar a excitá-la com um beijo? Não tens de saltar directamente para o clitóris como uma besta. Dá-lhe um beijo!

Um Aluno: Chupar o mamilo?

Professor: Sim, bem, pode ser...

Outro Aluno: Acariciar as coxas?

Professor: Sim. Acho que sim...

Um terceiro Aluno: Morder o pescoço.

Professor: Sim, bem. Mordiscar a orelha, massajar o traseiro e por aí adiante. Temos todas estas possibilidades antes de atacar o clitóris.


E a lição sexual continua num crescendo de humor até atingir um clímax inesperado...

VÍDEO legendado em português

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Bom, Diogo, essa pergunta é difícil de responder. Marias de Lurdes, há muitas, e Rodrigues não é um apelido invulgar. Entre tantas Marias de Lurdes Rodrigues, haverá algumas, certamente, que correspondam à canção de estudantes dos meus tempos de Heidelberg:

Vivant omnes virgines
faculae, formosae,
vivant et mulieres,
tenerae, amabiles,
bonae, laboriosae (bis)


Como de entre tantas nos foi calhar esta, é um infortúnio que não consigo explicar

Anónimo disse...

Apoiado!

rita