...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Responsabilidade e rigor técnico

Ou: Pronto, Leva Lá a Bicicleta

Quem me conhece sabe que eu sou um bocado obtuso, teimoso e difícil de ensinar; mas mesmo com estas deficiências todas seria impossível ouvir tanto tempo os nossos políticos a dizer a mesma coisa, com o aval entusiástico dos líderes das confederações patronais, dos jornalistas de negócios e dos economistas do regime, sem acabar por lhes reconhecer razão.

Então é assim:

Se há perigo de inflação, é preciso conter os salários.

Se há perigo de deflação, é preciso conter os salários.

Se a crise é económica, é preciso conter os salários.

Se a crise é financeira, é preciso conter os salários.

Se não estamos em crise, é preciso aproveitar para melhorar a competitividade - e portanto conter os salários.

Se o défice das contas do Estado está alto, é preciso conter os salários.

Se o défice das contas do Estado está baixo, é preciso não entrar em euforia - e conter os salários, claro está.

Se o desemprego está alto, é preciso encorajar as empresas a empregar mais gente - o que só se consegue contendo os salários.

Se o desemprego está baixo, os salários tendem a subir - e portanto contê-los é mais necessário que nunca.

Finalmente percebi. Não vale a pena perguntar em que circunstâncias é que os salários podem aumentar: a resposta politicamente responsável e tecnicamente rigorosa é que não podem aumentar em circunstâncias nenhumas.

5 comentários:

donatien alphonse françois disse...

É isso mesmo!
Gostei!

touaki disse...

Se o elencado é grave, isto também não é nada bom augúrio:

http://reinodamacacada.blogspot.com/2010/02/mario-crespo-no-comments.html

Nan disse...

Eu iri mesmo mais longr: ideal era não pagar salários. Para que é que a gentinha quer dinheiro? O mais provável é gastarem-no mal...

com senso disse...

Um belo texto! É isso mesmo que se passa na cabeça de quem dirige os nossos destinos!
O mais curioso é que quem aprende economia, aprende o bom exemplo do criador do modelo T, Henry Ford, cuja teoria, considerada como inteligente e sensata pelos economistas (pois provou-se que resultava) era a de que se aumentassem os salários dos trabalhadores eles poderiam comprar mais bens, incluindo os seus automóveis!
Hoje em dia a política é outra: os salários podem baixar, desde que aumentem os rendimentos do jogo bolsista a economia fica bem!!!
Infelizmente chegámos ao nível do casino, na condução das nossas políticas económicas!

Rui Ferreira disse...

Tão simples, tão recente e tão verdadeiro.