...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Slogan 1

PROFESSORES EXIGEM:
MENOS TRETA,
MENOS BUROCRACIA,
MAIS ENSINO!

4 comentários:

Range-o-Dente disse...

Mau caro Sarmento, é esse o caminho.

Não acredito que os sindicatos o oiçam nem, até mesmo, a generalidade dos professores.

Continuo a ter fortes razões para suspeitar que os professores farão tudo o que o ministério parir desde que consigam cedências salariais.

A 'vitória' para os professores, terá que dar-se no campo dos "direitos". O direito (e o dever) que o José Luís reclama não é, para a generalidade dos professores, coisa que esteja em cima da mesa.

Range-o-Dente disse...

O José Luís fala em ensinar e, na minha opinião, muito bem.

Mas os professores andam na onda da educação ...

.

José Luiz Sarmento disse...

Meu caro, penso que está enganado. É certo que este tipo de reivindicação só recentemente tem vindo à superfície, mas já anda há muitos anos pelas bases.

Range-o-Dente disse...

"mas já anda há muitos anos pelas bases."

Deus o oiça. Não tenho essa percepção ... quero dizer. Alguns professores rosnam, de facto, mas apenas fora da escola em conversas privadas com quem têm muita confiança. Na escola, mesmo em pequenos grupos falando de trivialidades, parecendo sofrer do mesmo torpor que os restantes.

Escrevo estas linhas e lembro-me de determinada reunião em que um professor, 'outsider' (algo convidado em função de determinado assunto) pergunta numa reunião: mas porque é que se tem que aturar um gajo que não está interessado em estar na sala de aula e só vem à escola para demonstrar que é herói?

O silêncio foi sepulcral e, só ao fim de muitos segundos alguém disse: bem, é curioso mas não estamos habituados a ver as coisas dessa forma.

Estarei errado se disser que a generalidade dos professores alinharam nos mirabolantes loopings das ciências da educação e caíram em estado de negação em relação à realidade que ajudaram a criar que não lhes permite agora mais do que estrebuchar?

.