...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

quinta-feira, 18 de março de 2010

Não há alternativa, dizem eles

Não há alternativa: foi esta a ideia-chave que levou Margaret Thatcher de vitória em vitória até à derrota final.

Não há alternativa. Conformem-se. Aceitem trabalhar cada vez mais, em empregos cada vez mais precários, em troca de salários cada vez mais baixos. Não há alternativa. Pensar o contrário é irresponsável.

E a frase tem sido incessantemente repetida, incessantemente martelada, por tudo o que é responsável político, dirigente patronal ou economista mediático. Não há alternativa. Conformem-se. Habituem-se.

E chega a parecer verdade. Se o diz toda a direita portuguesa; se o diz toda a direita europeia; se o diz Teixeira dos Santos, dia sim, dia não, ou todos os dias; se o dizem, insistentemente, os economistas com lugar cativo nas televisões; se o diz Durão Barroso; se o diz a OCDE nos seus elogios às políticas de "austeridade" em Portugal; se o diz Angela Merkel quando lhe falam na responsabilidade alemã pela crise actual na Europa; se o diz o Banco Central Europeu; se o consenso aparente é tão completo - então se calhar é verdade. Se calhar, o melhor que temos a fazer é conformar-nos: habituarmo-nos à ideia de sermos cada vez mais pobres num mundo cada vez mais rico. É que não há alternativa: estamos condenados, não há salvação possível.

Mas é mentira. Não devíamos precisar que nos dissessem isto. Deveria bastar-nos a memória dos povos, que sabem muito bem que a principal arma dos tiranos é apresentar a sua ordem artificial como se fosse a ordem natural das coisas. O "não há alternativa" de Teixeira dos Santos ecoa o "é mesmo assim" com que os oprimidos se têm conformado e confortado ao longo dos séculos.

Há sempre alternativa. Há sempre escolhas, e as escolhas são sempre políticas. Três delas estão definidas neste relatório e noticiadas aqui, aqui, aqui e aqui.

"Não há alternativa" é uma das frases predilectas dos sacanas quando pensam que estão a falar para um país de bananas. É tempo de lhes tirar esta ideia da cabeça.

6 comentários:

Safira disse...

Excelente post. Parabéns!

Concordo e subscrevo cada palavra e por isso mesmo peço a sua permissão para publicar este post no meu blog. "Escola do Presente". Obrigada,

Safira

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

Nem precisava de pedir, Safira. Os meus posts não são mercadorias. Por pouco que valham, estão sempre à disposição de quem quiser pegar neles.

Obrigado pelas suas palavras de incentivo.

Anónimo disse...

Excelente texto sem dúvida.É neste questionamento radical que se situa o pensamento de K. Polanyi quando se refere à “utopia do mercado”, salientando que o economicismo dominante dos nossos dias significa “subordinar a substância da própria sociedade às leis do mercado. Haverá espaço para a realização do Homem? Servirá de alternativa?
mceurodrigues

Paulo G. Trilho Prudêncio disse...

Viva José Luiz.

Mais uma pérola. Já está no meu blogue.

Aquele abraço.

setora disse...

Também vou furtar.

Nan disse...

Já «saquei» o relatório, para ler nas férias, de marcador verde pirilampo na mão...