...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

O que fazer depois do 15/11?

Suponhamos que a manifestação do dia 15 se salda - como eu prevejo que se vai saldar - por uma grande demonstração de força dos professores. A questão que se põe é: o que fazer com essa força?

Já vi proposto que no dia seguinte devíamos começar a organizar-nos. Encaro esta proposta com grandes reservas. Todas as coisas têm o seu preço: quanto mais nos organizarmos mais legitimidade e mais representatividade ganharemos - mas a estrutura que criarmos, por mais leve que a queiramos fazer, terá sempre algum peso; será sempre, por minimamente burocrática que seja, burocrática; e estabelecerá sempre, por menor que seja essa distância, alguma distância em relação aos professores.

Ora as grandes vantagens estratégicas dos movimentos independentes têm sido a leveza, a mobilidade, a capacidade de reacção instantânea e de inflexão de rumo, a sensibilidade apurada aos sinais vindos das bases. São vantagens preciosas, até porque mais ninguém as tem. Não as devemos deitar fora: tenhamos a lucidez de compreender que são elas que nos permitem tirar partido das maiores fraquezas das burocracias governamental e sindical: o peso excessivo, a inércia, o isolamento da realidade.

Se os sindicatos nos perguntarem, como têm perguntado, onde está a nossa representatividade, devemos responder que não queremos a deles. A nossa representatividade e a nossa autoridade devem ser apenas as que nos forem dadas, momento a momento, pela resposta dos professores às nossas propostas. As outras formas de representatividade e autoridade devem continuar a caber às associações formais e aos sindicatos.

Ao tentar competir contra os movimentos independentes, os sindicatos estão a cometer um erro que lhes vai sair caro. É pena, porque o fazem por medo e esse medo é injustificado; e é pena, também, porque todos os professores ficam a perder com isso.

Não cometamos nós o mesmo erro. Não tentemos competir contra os sindicatos. Aproveitemos a força que temos, que é considerável, e não deitemos ao lixo as nossas vantagens estratégicas para entrar na mesma guerra de trincheiras que a burocracia sindical e a burocracia ministerial travam uma conta a outra.

6 comentários:

Moriae disse...

José Luiz, ultimamente tenho-o referido e citado com frequência. Se tal o incomodar, avise-me, ok?
E ... novamente ... palavras sensatas e sábias.
Abraço solidário e até dia 15!
M.

Anónimo disse...

JLSarmento,

Creio estar criada uma nova forma de participação directa dos indivíduos nos seus "destinos" individuais, grupais/societais. Quando estão em causa aspectos essenciais que afectam dramaticamente a vida de cada um e de muitos, as pessoas têm que se unir numa rede solidária e de luta.
É o que está a acontecer, neste momento, com a luta dos professores.
Estando conseguidos, os intentos definidos, desmobilizam.
As organizações pesadas, burocráticas (já) pertencem à "história". Não sobreviverão.
São os sinais positivos dos tempos.

O pós 15 de Novembro, apesar de ideias, será, inevitavelmente, a continuação do 15 de Novembro, até que a justeza daquilo que nos move seja reposta.
Depois? Vai cada um à sua vida.

Novos tempos, novos ventos!

Abraço
Ana

Anónimo disse...

Em Portugal, os primeiros sinais de uma mudança nas formas de lutar e mobilizar - de defesa de causas justas- surgiram "Por Timor".

Ana

José Luiz Sarmento disse...

Ainda não nos apercebemos bem das implicações políticas de dispormos de telemóveis, sms, e-mail, blogues, etc. Temos uma vaga ideia que foi este facto que elegeu Zapatero, financiou Obama e tornou possível o nosso 8 de Março.

Mas o principal ainda está para vir. As burocracias pesadas, sejam elas partidos, sindicatos, empresas, igrejas ou governos, vão ter a vida dificultada se não souberem tirar partido do novo «caos organizado».

Setora disse...

E é nas escolas que se aprende a resistir.
Um requerimento económico para suspensão do processo de avaliação foi de imediatamente assinado por quase todos os professores das escolas do agrupamento. O "quase" foi de quatro que não assinaram. Três são kapos e uma ficou "trucidada" pela ação de formação a que assistiu. Deve temer que a ponham de castigo e obriguem a frequentar outra vez!
E ao assinar o papel estão dispostos a ir à luta.

Anónimo disse...

JLS

Muito em breve, serão tornadas públicas as propostas para o DAY AFTER 15 de Novembro, pelos movimentos de professores.
Ana