...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

terça-feira, 21 de outubro de 2008

A 8 de Março eu tive um sonho

Tive o sonho de que um dia seria possível juntar numa só manifestação muitas dezenas de milhares de profesores e alunos reivindicando tão só isto:

O DIREITO DE ENSINAR E DE APRENDER

Porque é este direito, não nos iludamos, que nos querem tirar. Quando se anunciou a manifestação para 15 de Novembro, pensei: ainda não vai ser desta. Fica para outra vez.

Quando a plataforma sindical tentou tirar o tapete de debaixo dos pés aos professores marcando uma manifestação para uma semana antes da que se estava a organizar, pensei: como é possível que tudo o que foge à burocracia aterrorize tanto esta gente?

Ao longo de trinta anos deixaram-se burocratizar. À burocracia em que se enredaram, e em que nos enredaram a nós, chamam organização. E ao que vem das bases chamam anarquia. Mas essa "anarquia" é a 'unica coisa que os poderá salvar.

3 comentários:

Carlos Félix F. disse...

Caro colega,

Comentei aqui:http://fjsantos.wordpress.com/2008/10/20/argumentos-falaciosos/#comment-

Este cavalheiro acusou-me de ser falacioso. Parece que o meu artigo fez rombo em alguns sindicalistas.
se quiser envio-o. pode postálo e/ou enviá-lo por e-mail a quem lhe aprouver, desde que gente séria!
Cordiais cumprimentos,
Carlos Félix Fernandes

Por favor remeta-me o seu e-mail

Meu mail: carlosjfelixf@gmail.com

Range-o-Dente disse...

Meu caro, a "plataforma sindical" é uma estrutura que se alimenta do que quer que seja em proveito próprio.

A única razão de ser da sua existência é a de se perpetuar.

Lembra-se de quando lhe disse que a primeira guerra dos professores, a vencer, era a guerra interna?

Esqueça tudo o resto. Enquanto os professores não se convencerem que são professores, nada há a fazer.

A maioria deles sabe que é professor porque está escrito algures. Supõe que a sua missão consiste em ser corrente de transmissão entre engrenagens. Não gosta da presente engrenagem, mas não põe em causa ser corrente.

.

Joaquim Simões disse...

Caro José Luiz Sarmento:
Um amigo enviou-me o link do seu post do dia 19 e o do mais recente, de ontem.
Parabéns por ambos, bem como pelo blog no seu conjunto que, a partir de hoje estará incluído na lista dos meus favoritos.
Joaquim Simões