...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

domingo, 2 de novembro de 2008

Miguel de Sousa Tavares

Miguel de Sousa Tavares anda por todo o lado a queixar-se amargamente de lhe terem atribuído uma frase que ele nunca escreveu: que os professores são os inúteis mais bem pagos do País. De facto não me recordo de alguma vez ter lido isto, escrito por ele; e estou disposto a acreditar que, de facto, nunca o escreveu.

Mas escreveu outras coisas. Uma delas, publicada no Expresso a 10 de Março de 2008 (dois dias depois da grande manifestação dos professores), está aqui, juntamente com a minha resposta.

Sete meses e meio depois, creio não ser imodesto pensar que os factos deram mais razão à minha resposta do que ao artigo dele. E estou com uma enorme curiosidade de ler o que ele vai escrever sobre as manifestações dos dias 8 e/ou 15 de Novembro.

Pode ser que se mantenha em silêncio - o que será, no caso, um silêncio eloquente. Quanto à calúnia, se calúnia é, deveria o próprio reflectir sobre a razão de ela se ter propagado tão facilmente.

2 comentários:

Anónimo disse...

Espero não estar a ser inconveniente ao retirar do blogue e divulgar o pensamento do autor, via posts.

... (?)

rita

setora disse...

Ao contrário do que quer aparentar o senhor Miguel S Tavares encarneira facilmente. Lembro-me quando a ministra resolveu que a escola abria a 2 de Janeiro, ignorando a vida das pessoas, as saídas que as famílias programam na época para as idas à terra ou para dar uma volta, o senhor, em lugar de criticar uma medida absurda e de apoiar os professores que na prática a recusassem, veio a correr "do monte" e queixou-se imenso dos professores que, muito justamente, faltaram. A medida era tão absurda que desapareceu, nunca mais voltou a ser aplicada. Este "pequeno incidente", este apoio cego revelou a pequenez do homem.