...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Ainda a escola do Salgueiral

Num dia chega-nos a notícia de que uma professora tinha sido processada por ter infligido maus tratos aos seus alunos, pondo-lhes fita-cola na boca. No dia seguinte surgem novos factos que nos dão a saber que o que se tinha passado fora afinal perfeitamente inócuo.

Eu desconfiei logo no primeiro dia que a história estaria mal contada. Não porque tivesse informações que mais ninguém tinha, mas só por intuição. Esta intuição foi desenvolvida com o tempo e sustenta-se nas minhas circunstâncias particulares. Desconfiei porque sou macaco velho; porque sei bem como as coisas tendem a passar-se nas salas de aula; porque sei razoavelmente como as coisas se passam na cabeça duma criança; porque sei como é fácil, na Sociedade do Espectáculo, fazer com que uma coisa pareça o seu contrário.

Mas desconfiei sobretudo porque estou consciente de que o nosso sistema educativo está neste preciso momento em plena guerra civil. E como diz o aforismo, em qualquer guerra a primeira baixa é sempre a verdade.

Prevejo que nos próximos meses os media vão ser inundados por notícias de maus tratos de professores a alunos. Na sua maior parte essas notícias serão, tal como esta, distorções malévolas dos factos. Mas algumas corresponderão, infelizmente, à verdade. Os professores têm que estar preparados para batalhar nos media e nos tribunais quando forem alvo de calúnias (e vão ser); mas a nossa melhor e mais efectiva defesa nesta fase da luta vai ter que ser o cumprimento escrupuloso duma rigorosa deontologia profissional.

6 comentários:

Range-o-Dente disse...

"Mas desconfiei sobretudo porque estou consciente de que o nosso sistema educativo está neste preciso momento em plena guerra civil."

Isso mesmo.

Moriae disse...

JL Sarmento, confesso que também passei a desconfiar ... aqui:
http://sinistraministra.blogspot.com/2008/03/ser-possvel-que-esta-professora-1-se.html
e sobre este caso, ali: http://sinistraministra.blogspot.com/2008/04/leituras-recomendadas.html

Não pretendo fazer publicidade. Mas ... já agora, penso que talvez valha uma passagem de olhos.
abraço,
M.

Anónimo disse...

Gosto de o ler. Texto muito lúcido e cartesiano: desconfia, duvida e vai de encontro à verdade por intuição ( racional).
Dá um conselho importante: nesta fase( e sempre) a ética profissional é fundamental.

Tino disse...

Felicito-o pelo seu blogue. Pelo menos nesta matéria estamos em perfeita sintonia.

Parece-me que os professores têm de estar preparados para uma guerra suja, para a qual estão em desvantagem.

Em matéria de sujidade os politiqueiros profissionais são os "titulares" indiscutíveis...

Anónimo disse...

Um dos pais queixosos foi o BRUXO DE FAFE, um personagem ao nível de Linda Reis, completamente desaparafusado, e que não perde uma oportunidade de protagonismo. O instigador deste complot foi o conhecido Albino da CONFAP, como se sabe.

Anónimo disse...

O Albino quer substituir o Valter. Estão a preparar um golpe palaciano no ME com a conivência da Milu e do Sócrates. Provavelmente o Pedreira também vai na onda.