...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

domingo, 8 de junho de 2008

Os portugueses

A esmagadora maioria dos portugueses divide-se em duas categorias: os que acham que não há vida para além do trabalho e os que acham que não há vida para além do futebol.
Fora estes, há uma pequena minoria de intelectuais excêntricos que precisam de ser exterminados. Quem se está a encarregar disto é a ministra da educação.

3 comentários:

Range-o-Dente disse...

"Quem se está a encarregar disto é a ministra da educação."

A seu tempo será substituída pelo ministro do desporto.

.

Nan disse...

Que reunirá os dois minsitérios num só - o ministério do futebol, que simultaneamente induca e enstrói!

Anónimo disse...

Não estaremos a permiti-lo!?

INDIGNEM-SE, P.F.!!!! Divulguem.

“Queixa:

No início do mês de Março de 2008, tive conhecimento, por via formal, tal como todos os restantes professores a trabalharem em escolas do âmbito da Direcção Regional de Educação do Algarve, do documento de tês páginas que segue em anexo na forma integral.

Tendo assistido ao programa “Prós e Contras” em causa, e à intervenção do meu colega professor Manuel Cardoso, estava obviamente por dentro do assunto abordado no teor da informação veiculada por uma “entidade” designada de Gabinete Comunicação (Ministério da Educação). Percebi de imediato que o colega professor, talvez por inexperiência, terá proferido uma frase infeliz e, nos dias que correm, também “muito politicamente incorrecta”. Ultimamente, como é público, os professores comentam em surdina muita coisa, ouvem muita coisa, sabem muita coisa, vêem muita coisa, mas raramente têm meios de prova e, se os têm, receiam pela sua vida profissional e não os tornam públicos. (…)
In,
queixasdeprofessores.blogspot.com/