...............................................................................................................................................

The aim of life is appreciation; there is no sense in not appreciating things; and there is no sense in having more of them if you have less appreciation of them.


..........................................................................................................Gilbert Keith Chesterton
....................................................................................................................................................

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Questões de Moral

Pode-se chamar filho-da-puta ao Senhor Primeiro-Ministro?

Esta questão não pode deixar de se levantar face às recentes notícias segundo as quais um professor de Inglês terá dito a um conhecido «para teres um doutoramento só por fax» (na versão do próprio) ou «estamos num país de bananas governado por um filho-da-puta dum primeiro-ministro» (na versão do bufo que o delatou).

Admitamos, for the sake of argument, que a versão do bufo corresponde ao que na realidade foi dito. Ressalve-se, também, que por economia de espaço não vou aqui tratar da questão sob o ponto de vista das boas-maneiras ou do bom gosto; e que por incompetência também não vou tratar dele sob o ponto de vista da legalidade. Restará então a vertente moral.

Se considerarmos a expressão «filho-da-puta» no seu sentido literal, é evidente que não podemos chamar tal coisa a José Sócrates. Estaríamos a caluniar gravemente uma senhora que, tanto quanto sabemos, não exerce nem nunca exerceu a profissão de trabalhadora do sexo. E estaríamos a considerar José Sócrates um produto dessa actividade socialmente mal-vista - quando é público e notório que nasceu na vigência de um casamento legal, realizado entre duas pessoas de sexo diferente.

Há muito tempo, porém, que a acepção literal desta expressão se tornou arcaica. Em Trás-os-Montes, só para dar um exemplo, quando se chama «filho-da-puta» a alguém, mandam as boas maneiras que se acrescente «sem desfazer na senhora tua mãe, que é uma digníssima pessoa». «Filho-da-puta» será assim sinónimo, não de «bastardo», mas de «sacana» - um indivíduo sem escrúpulos que para atingir os seus objectivos não se importa de sacrificar o bem comum nem de infringir os direitos de quem lhe está mais próximo.

Com o tempo o conceito foi evoluindo no sentido de designar cada vez menos os sacanas em geral e cada vez mais uma categoria específica de sacanas. Para esta evolução muito contribuiu o clássico Discurso Sobre o Filho-da-Puta, de Alberto Pimenta, onde o autor já teoriza, de um modo absolutamente inovador para a época, determinados traços caracterizadores do sujeito. Para este teórico o filho-da-puta é sempre um tipo muito ocupado e também muito preocupado, o que ajuda a explicar a sua quase-obsessão pela eficiência.

Deste modo o «filho-da-puta», que tinha começado por ser um subproduto da indústria mais antiga do mundo, depressa se tornou, primeiro, num fulano sem escrúpulos, depois num sacana qualquer, depois num sacana preocupado e obcecado. Hoje é sobretudo um sacana eficiente, um tecno-burocrata da geração que neste momento está a chegar ao poder nas empresas, no governo e na alta administração.

Antes de responder à minha pergunta inicial tenho, portanto, que considerar vários parâmetros de avaliação. Até que ponto vão os escrúpulos de José Sócrates, ou a falta deles? Já sacaneou muita gente? Nunca sacaneou ninguém? Dá sinais de obsessão? É eficiente? Preocupa-se demasiado com a eficiência dos outros?

Qustões difíceis, estas. Para as esclarecer um pouco, consideremos, como termo de comparação, algumas figuras da cena internacional. Podemos, com rigor, chamar «filho-da-puta» ao Sr. George W. Bush? Estou em crer que não. Podemos chamar-lhe coisas piores, algumas mesmo muito piores, e sem dúvida com toda a justiça. Mas filho-da-puta? A Cheney, talvez. A Rumsfeld, provavelmente. A Wolfowitz, certamente. Mas a Bush falta-lhe a finura, o cool, o je ne sais quoi que definem o verdadeiro (e legítimo, passe o oxímoro) filho-da-puta.

Vladimir Putin anda lá perto, sem dúvida. Jacques Chirac também. Os gémeos Kaczinski, que há poucas décadas poderiam ter sido considerados uns bons filhos-da-puta, são hoje, dada a acepção muito mais exigente do termo, uns filhos-da-puta péssimos. Mas o filho-da-puta por excelência, o pai e a mãe de todos os filhos-da-puta, foi e é - e penso que isto é consensual - o ex-Primeiro-Ministro do Reino Unido, o Sr. Tony Blair.

Ora acontece que Sócrates, por muito que se queira parecer com Blair, não o consegue completamente. Notam-se nele ainda alguns resquícios de consciência moral - que o tempo e o profissionalismo dos assessores se encarregarão, sem dúvida, de apagar; quando olha para os «recursos humanos» com que conta para construir a «modernidade», pode ser que ainda enxergue à transparência, muito difusamente, pessoas. E até o sorriso, calculado ao milímetro como o de Blair, parece por vezes mostrar uma réstea de autenticidade que deve dar noites de insónias aos seus assessores de imagem.

Concluindo: podemos chamar «filho-da-puta» ao Senhor Primeiro-Ministro da República Portuguesa?

A única resposta que cabe aqui é tentativa e provisória. Lá poder, podemos. Mas parece que não devemos, por muito grande que seja a nossa vontade de o fazer - e eu compreendo que essa vontade seja quase irresistível, particularmente por parte de quem se sente sacaneado. Não devemos porque há o risco concreto de sermos processados; e não devemos porque há o risco moral de não estarmos a ser inteiramente justos.

Por mim, já decidi: assim como nunca ninguém me ouviu, também nunca ninguém me ouvirá chamar chamar sacana nem filho-da-puta ao Sr. Primeiro-Ministro actualmente em funções. O que me obriga, por razões de justo equilíbrio, e apesar dos resultados da greve geral de hoje, a também nunca chamar «bananas» à generalidade dos meus concidadãos.

28 comentários:

Anónimo disse...

Essa pergunta pode ser feita à Ministra da Educação?

É que, relativamente a esta notícia da professora com leucemia que foi obrigada a trabalhar há 3 meses:
http://www.cacia.pt/index.php?CA=Noticia&IDNoticia=40

essa professora, a minha colega Manuela Estanqueiro, foi hoje a enterrar às 15.30h no Cemitério de Cacia, em Aveiro.
Estou REVOLTADO. Nem sabem o que me apetece fazer.
Agora percebo porquê que às vezes lemos nos jornais casos de ajustes de contas a tiro.
Por muito menos o fazem, por muito menos.
Desculpem a crueldade mas, dizer menos que isto, era lutar contra um sentimento de justiça que me atormenta e é bem mais forte.
Estou ENOJADO.
ENOJADO!!!!!!!!!!!!!

Francisco

Amélia disse...

Pode e deve, Francisco.E tem razão ao exprimir a sua revolta.Isto devia ser mais badalado nos jornais.Há outros colegas em risco igual.
Quanto ao post em si, achei-o tão pertinente que o divukguei entre professores.
este pa´sis desgosta-me.E os seus governantes revoltam-me. Só gosto mesmo é deste País (o coração tem mesmo razões que a razão desconhece, como dizia o outro)e desta nossa pobre gente tão submissa.
Amélia Pais

Maria Lisboa disse...

Pois! Sinto-me cada vez mais perdida! Por um lado já não sei que chamar a esses "srs (des)governantes" cada vez mais prepotentes e arrogantes, por outro, não sei que chamar aos "srs governados", cada vez mais submissos e medrosos.

Sobre a notícia que o Francisco nos transmitiu, teci o meu comentário aqui: http://asinistraministra.blogspot.com/2007/06/repugnncia-nojo-repulsa-so-os.html e divulguei-a a todos meus contactos.
É preciso avisar toda a malta...
É preciso fazer saber a todos, o que nos está a acontecer...
É preciso que todos percebam que:

Primeiro levaram os comunistas,
mas eu não me importei,
porque não era nada comigo

Em seguida levaram alguns operários,
mas a mim isso não me afectou,
porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
mas eu não me incomodei,
porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir,
chegou a vez dos padres,
mas como eu não sou religioso,
também não liguei.

Agora levaram-me a mim e,
quando percebi,
já era tarde

Bertolt Brecht

e que:

Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor/ do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem
pisam as flores,
matam nosso cão, e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Eduardo Alves da Costa

Moriae disse...

Não é para menos Francisco. Também vou passar a ideia aos meus amigos e contactos.
Solidariedade para com a família da colega.
Abraço,

JÚLIO SILVA CUNHA disse...

A argumentação de que "Filho da puta", possui um significante próprio em Trás-os-Montes, foi utilizada por Armando Vara quando era arguido num processo de injúrias. O tribunal não deu provimento a esse argumento!
J.

LCC disse...

... e os "filhos da puta" que aindam acreditam nestes "filhos da puta"...

jl disse...

Obrigado pelos vossos comentários.
Creio que Maria de Lurdes Rodrigues pertence à mesma fornada de tecno-burocratas a que pertence Sócrates e a que pertence muitas gente nos Ministérios e nas DRE's.
É gente para quem não há cidadãos, mas sim populações (a diferença é que os cidadãos têm que ser informados enquanto as «populações» podem ser apenas manipuladas) E para quem não há pessoas, mas recusros humanos (Às pessoas teriam que as servir, sos «recursos humanos», servem-se deles)
Uma professora morre a trabalhar? Que lhes interessa isso? É uma redução mínima na população e é um «recurso humano» desactivado. Apenas isso. Tomaram eles que acontecesse o mesmo no próximo ano a todos os professores com mais de 50 anos.

Anónimo disse...

Não tenho palavras para descrever tanto desprezo pela vida humana !!!

Alguém diga a essa gente que governa que lance mais um imposto (mesmo que seja vergonhoso) e que nos deixe, pelo menos, viver !!!!

QUEM NOS MANDOU NASCER POVO ?

xcharissa

Jose disse...

AMIGOS não tenho palavras para descrever o que sinto.
Para estes senhores somos apenas um número, eles lutam pelo poder para ajudarem aqueles que os ajudam a eles, não o zé povinho, não aqueles que necessitam de leis justas, esses não, esses são um número e um número é o que é apenas um número, um número não tem regalias, um número não vive, um número não tem direitos.

Meus Amigos
é triste viver neste país.

Anónimo disse...

E já está também divulgado no In Virtus
Estamos num país de mentira (mas temos santo padroeiro! oremos!) onde as pessoas não valem nada. Eu trato melhor o meu cão que o Estado trata qualquer doente, qualquer aluno, qualquer professor, qualquer... um de nós.

Patrícia disse...

Compreendo o colega Francisco. Li agora a notícia q me foi enc~viada por uma colega e fiquei, também eu, enojada. Tenho vergonha de viver neste país em que juntas só depois de mortos. Só não percebo é como é possível q esta escumalha ainda esteja no governo. E nós aqui...a morrer... de vergonha por sermos "só" professores. Os meus sentimentos à família da Colega Manuela

Viktor disse...

Estou cheio, farto, saturado de tanta hipocrisia, de tanta estupidez e de tanta indiferença. Quando é que nos unimos?, quando é que juntamos a nossa revolta?, quando é que deixamos de ser indiferentes?, de tudo nos fazerem e nos dizerem e nos calarmos.
"BORA LÁ FAZER A PUTA DA REVOUÇÃO, DAR A VOLTA A ESTA MERDA DE UMA VEZ POR TODAS, NÃO CONSIGO PACTUAR COM ESTE ESTADO DE COISAS, ESTÁ NA HORA DE PEGAR NO ASSUNTO COM AS NOSSAS MÃOS..."
Viktor

Manela disse...

Pois é. Bora lá fazer a revolução. K vergonha. No dia da GReve geral as escolas fecharam por causa dos fincionários. Os profs estiveram na escola a cumprir horário, só pra não perder uns cobres. Vão perder até a dignidade mas enfim....
Ass: Uma das (poucas) grevistas

Anónimo disse...

Tudo isto é sócrates, tudo isto é milhú, tudo isto é margarida moreira, tudo isto é valter lemos, tudo isto é pedreira, tudo isto é "esquerda" P.S., tudo isto é, também,a cobardia dos colegas da saudosa Manuela Estanqueiro que, quando chamados à luta, escondem toda a sua vergonha e despudor atrás dos 40, 50, 60, 70, 80, 90 e mesmo 100 miseráveis euros.Vende-se toda a dignidade ( se ainda existe )por um punhado de moedas.E tudo isto é verdade...
seraf.

Anónimo disse...

à professora Manuela um abraço!
Pela professora que foi para esta aluna, que sarcásticamente, também se tornou professora! Sendo professora por ter tido a honra de ter exemplos de professores como a senhora!Bem haja, sempre!

Anónimo disse...

Compreendo perfeitamente a revolta dos colegas. Eu próprio vive uma situação, no mínimo caricata, mas reveladora do que actualmente se passa. Em 2005 fui acometido de doença do foro oncológico tendo, também, sido submetido a tratamento químico. Em Novembro do mesmo ano telefonei para a C.G.Aposentações, mais por curiosidade, para saber da possibilidade de requerer a minha aposentação. Qual não é o meu espanto, quando, depois de expôr a minha situação, do outro lado da linha me: "O senhor está em fase terminal? Se não estiver em fase terminal não vale a pena fazer o requerimento.".
Isto não merece mais comentários.

Maria disse...

Eu não sou professora! Mas sou funcionária pública, sou antes do mais pessoa, PESSOA, que é uma coisa que os governantes não são! São COISAS! Vamos ficar de braços cruzados? Braços cruzados enquanto as Juntas Médicas(?)não sabem ser médicos, maS MARCENÁRIOS, pessoas sem ética, matam pessoas! Sim o que fizeram à professora? mataram-na!!!!!!!!!!!!!! Porque ainda que estivesse mal, este choque psicológico matou-a, não é preciso ser cavalgadura como os gaijos que a mandaram trabalhar!
Façamos um abaixo assinado para pôr a ministra, a junta com o rabinho nos tribunais, ou estas coisas não têm lei? Somos só nós! Prof. Francisco estou consigo! Tantos gangs, tantos bandidos e nenhum espeta um balázio nos governantes para dar o exemplo de que sã mortais e despensáveis! Por favor, todos professores ou não façamos um movimento!

Manuel A Silva disse...

so teremos um país civilizado e democratico, quando a actual geração de politicos e gestores forem queimados vivos pelo mal que fazem diariamente ás pessoas ...só tem um comentario a fazer , e peço desculpa pela linguagem ..bando de filhos da puta incompetentes ..que sobrevivem porque mandam e não por competencia ,,,espero e desejo que um dia as pessoas criem coragem e façam umas fogueiras .

Anónimo disse...

façam o movimento...avancemos com coragem para por umas pessoas na ordem ...basta de arrogancia e incompetencia ....

por mim as escolas e os alunos serão um bom meio para dar a voz aos revoltados , que neste pais se transformam diariamente em amordaçados .......e a vida tá bela, mas apenas para esse bando de politicos mafiosos que graçam por todo este pobre país...e depois não sabem porque não saímos da cauda da Europa ....ca est´´a um portugues que nunca mais vai a uma mesa de voto.....

Diana disse...

Em primeiro lugar quero deixar os meus pesames aos familiares e amigos da Sra Professora Manuela Estanqueiro... O meu coração chora com vocês, apesar de nunca ter conhecido essa Sra que (visto haver mesmo uma mensagem de uma ex aluna) foi tão bom exemplo para todos com os quais conviveu.
Mas mesmo que tal não tivesse sido o caso!!! O que lhe ocorreu foi uma barbaridade de tal ordem que nem tem qualificação.
Em segundo lugar os meus pesâmes para com toda a classe dos professores e também de todos os restantes funcionários públicos. Ninguém sabe onde irão parar com este descalabro que o governo (com os vários desgonvernates que tem tido) tem deixado evoluir.
Em terceiro lugar os meus pêsames por todos nós, cidadãos deste maravilhoso país à beira mar plantado mas no qual, qualquer dia, já não apetece ou vale a pena viver...
No entanto não sei se vale a pena fazerem um movimento, infelizmente... Como alguém (bastante inteligente, por sinal) disse uma vez: mudam as moscas mas a merda (desculpem a linguagem) é sempre a mesma... Primeiro teremos de mudar a mentalidade dos nossos concidadãos.
Enquanto os funcionários públicos se sentirem culpados por fazerem uma greve à qual têm direito pois é para defenderem os seus direitos (e não para terem mais uns dias de férias como muitos dizem por aí) acho que não conseguiremos evoluir...
Eu sou veterinária. Clínica privada, não sou funcionária pública, mas a minha mãe é (já há 30 anos) funcionária pública (e uma das boas e não das das piadas, que passam o tempo a jogar às cartas), por isso, qual não foi o meu espanto (e choque) quando uma cliente, na véspera da greve geral, me disse, pelo telefone, "pois, eu amanhã não venho trabalhar, sou uma das más da fita!", e isto com um tom de voz culpado!!!
Vocês, funcionários públicos, têm é de se unir para explusar esta péssima ideia (e imagem) que o próprio governo teima em dar da vossa classe e que a planta constantemente na mente fértil do nosso Zé Povinho que, tal e qual o Romanos, prefere ver circo e fogo de palha que realmente encarar os problemas para os tentar resolver...
E o resultado é este... São uma classe sem honra e sem mérito (aos olhos dos outros) e que, mesmo às portas da morte, se devem levantar do pré-túmulo para irem trabalhar!!! Afinal, o governo não está para pagar o vosso funeral!!!

Anónimo disse...

Como não encontro palavras para exprimir a minha indignação, revolta e sei lá que mais, apenas desejo que toda a corja de FILHOS(AS) DA PUTA, que tiveram responsabilidades neste caso, venham a sofrer, quanto antes, da mesma maleita que vitimou a nossa colega e vão, tão depressa quanto possível, morrer longe para não cheirarem mal a todos nós, os indignados.
Paz à alma da Manuela Estanqueiro.

A. Dias

Hersil disse...

Realmente ao ler esta noticia fiquei indignadissimo, nao é que me espante o que os nossos politicos, pq esses ja nao me espantam, o que me revolta e indigna é a desfaçatez e indiferença que esses pulhas tratam aqueles que lhes dão o sustento...
mas no fundo a culpa é nossa pq somos nos que os la metemos. Há eleiçóes mas a m.... é sempre a mesma só muda o cheiro.
Eu sou contra os radicais, mas se calhar o que os nossos governantes precisavam é que quando fazem atrocidades destas, no dia a seguir lhes pusessem uma bomba no carro e fossem desta para melhor.

Infelizmente acontecem casos destes todos os dias mas realmente este deixou-me chocado pela falta de humanidade com que o cidadão normal é tratado.

Como o Francisco diz por muito muito mesmo se ajustam contas.

Hernani Silva

Anónimo disse...

Nas próximas eleições, não se esquecem "destas e doutras pérolas"/PS e tornem a dar-lhes os votos ... é que eles vão sempre contando com os saloios do costume. Eu já os conheço desde Maio/74 e nada me surpreende, mas como diria EdeQueiróz, esta corja anda por aí ... Saudações,

WIZARD

alf disse...

Quanto ao post sobre o "filho-da-puta": brilhante!
O único problema é que as pessoas recorrem sempre a raciocícios burros para defenderem os pontos de vista que lhes convém... e, por isso, enquanto foi possível a burrice de interpretar à letra a expressão será isso que prevalecerá sempre que conveniente a um qualquer f-da-p.

Quanto à professora, surge-me a interrogação: até que ponto os professores que passam a vida de atestado e em golpadas variadas, e eu conheço vários, não são responsáveis pelo sucedido? Até que ponto os que contemplam com os golpistas não são também co-responsáveis?

Mário disse...

Será só o PM. Penso que todos nós portugueses são Filhos da Puta

eduardo disse...

Portugueses: só há uma forma de dar a volta a esta bandalheira e temos que o fazer através do voto. Reflictam sobre o seguinte: após o 25 de Abril de 1974 todos os governos têm sido liderados e/ou compostos pelo PS, pelo PSD e pelo CDS/PP. Conclusão a tirar? É simples: são estes canalhas os responsáveis pelo estado miserável a que chegou a este País. Nas próximas legislativas, não votem em nenhum destes três partidos, não votem em branco, não se abstenham. Votem num outro partido qualquer e não acreditem nas sondagens nem se deixem enganar pela comunicação social, pois a podridão está generalizada

Anónimo disse...

Mais uma bronca da DREN/CGAposentações.
Mais um colega que a Junta Médica da CGA considerou capaz para o exercício de funções e que acabou por falecer.
Leiam o Esclarecimento da DREN em relação a esta situação em www.dren.min-edu.pt.
Mais uma vez e sem comentários.

A VERDADE ACIMA DE TUDO disse...

Manuela Estanqueiro era minha MÃE

Este é o meio que encontro mais rápido para divulgar o BLOG que o Sr.INQUISIDOR me criou e que agora também com a sua ajuda estou a compôr.
O BLOG visa a divulgação da situação que a minha MÃE,MANUELA ESTANQUEIRO,teve que enfrentar,assim como todos os recortes da mesma referência que eu e outras pessoas podemos ir juntando,dando também as nossas opiniões e fazendo os nossos comentários.
Convido todos os interessados a participarem no BLOG,cujo nome é "a verdade acima de tudo" e o endereço é: averdadeacimadetudo.blogspot.com
Atenção: no endereço não colocar www.
Devo alertar que todas as mensagens devem ser devidamente identificadas,ou correm o risco de serem retiradas do Blog,pois trata-se de um assunto sério de mais para brincar com a situação.Todos os comentários são bem vindos e como tal o importante é todos contribuirmos para a divulgação deste caso.
Sempre que me for possível,utilizarei o Portugal Diário para actualizar nova informação sobre o caso Manuela Estanqueiro,minha Mãe,assim como o BLOG que vos falei agora.
Agradeço a todos mais uma vez por terem colaborado tão prontamente para que se tornasse uma situação do conhecimento geral.
A VERDADE ACIMA DE TUDO